H2FOZ | Notícias | Foz do Iguaçu
  1. Home
  2. Notícias

Por: Cláudio Dalla Benetta - H2FOZ

De sábado para domingo, nenhum caso a mais de coronavírus no Paraguai

De sábado para domingo, nenhum caso a mais de coronavírus no Paraguai
Ministro Julio Mazzoleni com o mote da campanha de isolamento total. (Foto: Do Instagram do ministro)

Primeiro país da região a fechar fronteiras e impor restrições firmes à circulação de pessoas, o Paraguai parece que começa a colher resultados. De sábado para domingo, 22, não houve registro de nenhum novo caso de covid-19.

As 37 amostras processadas em laboratório deram negativo, informou pelo Twitter o ministro da Saúde do Paraguai, Julio Mazzoleni. Ele informou que, dos 22 casos confirmados no país, apenas dois pacientes continuam internados. Os demais estão em casa, em isolamento. Até agora, a doença fez uma vítima fatal.

Na sexta-feira passada, o governo paraguaio anunciou oito dias de isolamento total no país, proibindo tanto os deslocamentos como as atividades em geral, excetuando-se as essenciais. A quarentena foi estendida até 12 de abril.

A Polícia Nacional, com apoio das Forças Armadas, está nas ruas para controlar o cumprimento das medidas.

Detenções

Essas três pessoas da captura de vídeo foram detidas. Ao volante, fazendo manobras, um sargento das Forças Armadas; na plateia, dois amigos.

No final de semana, por descumprir o "isolamento total", foram detidas 344 pessoas, 144 no sábado e 214 no domingo. As prisões são por "desacato" ao decreto. Muitas se deslocavam sem justificativa e outras, inclusive, estavam reunidas para beber.

“É uma cifra elevadíssima, mas há que ressaltar o alto acatamento das pessoas que ficaram em suas casas e respeitaram suas saídas, limitando-se às estritamente necessárias, como ir ao supermercado e à farmácia", disse a comissária Maria Elena Andrada à emissora de TV Gen.

Ela explicou ainda que quem descumpre o decreto está sujeito a uma pena de 12 a 12 meses de prisão e a uma multa de até 40 milhões de guaranis (mais de R$ 30 mil).

O ministro do Interior, Euclides Acevedo, pediu que seja aplicada a pena máxima aos infratores.

Fontes: Hoy e La Nación

X