H2FOZ | Notícias | Foz do Iguaçu
  1. Home
  2. Notícias
Por: Cláudio Dalla Benetta

Enchentes no Paraguai afetam metade da população do país

Enchentes no Paraguai afetam metade da população do país
Casal de idosos e cão à espera de ajuda, no município de Pilar. (Foto: La Nación)

H2FOZ

Em Pilar, onde a situação é mais grave, 10 mil famílias estão desabrigadas. Foto Carlos Juri, La Nación 

Só em Assunção e nos nove municípios vizinhos, as enchentes afetaram, de alguma forma, cerca de 2,5 milhões de paraguaios. Mas as enchentes não se limitam à região central do Paraguai. Quase todo o país enfrenta o problema, que se agravou ainda mais com a chuvarada de sexta-feira, 10.

O prefeito de Assunção, Mario Ferreiro, pediu ao presidente Mario Abdo Benítez que declare emergência nacional, o que ajudaria a acelerar os trabalhos onde há necessidade de ações imediatas.

Ruas alagadas em Assunção, em foto de Néstor Soza.
Caos no trânsito. Andrés Catalán, Última Hora

O tempo melhorou um pouco no sábado e, pra este domingo, também a tendência é de melhora. Mas ainda há previsão de chuvas esparsas e os rios continuam subindo, principalmente o Rio Paraguai, que só no sábado, em Assunção, subiu 17 centímetros.

A infraestrutura para enfrentar enchentes mostrou-se mais uma vez insuficiente, tanto em Assunção quanto em outrs municípios, como Pilar, que há muitos anos enfrenta problemas com cheias do rio.

E por quê?

Em Pilar, moradores retiram pertences das áreas alagadas. Foto Carlos Juri, La Nación 

A especialista em ciências ambientais Antonia Ramona Martínez Brignardello disse que as consequências das chuvas são ainda mais graves porque o Paraguai, cada vez mais, vem perdendo cobertura florestal, substituída pelo plantio de soja e criação de gado.

Segundo ela, é urgente que as autoridades nacionais entrem em ação para evitar que a natureza, cansada, se vingue das ações do homem. "Deus perdoa, mas a natureza, não", disse.

As intensas chuvas, as rajadas de vento, a queda de granizo e as tormentas elétricas são resultado deste cansaço da natureza, que precisa ser evitado com uma campanha de reflorestamento para deter a devastação massiva feita pelo produtos de soja e de gado, disse.

Gado é levado para áreas mais altas. Foto Última Hora

"Devemos entender que a cobiça por dinheiro é a causa deste problemas ambientais", afirmou.

E o pior, segundo ela, é que a corrupção influi fortemente na devastação do território, disse a especialista. É a corrupção que fecha os olhos da fiscalização para o corte indiscriminado de milhares de árvores.

O desequilíbrio climático vai trazer fome e pobreza, afirmou Antonia Ramona Martínez, porque o cultivo de algumas culturas será prejudicado por prolongadas secas e chuvas constantes, que vão se revezar.

A par da desvatação, a especialista disse ainda que os agricultores continuam usando agrotóxicos nas plantações, inclusive com fumigação aérea, o que prejudicará a fertilidade do solo e contaminará o meio ambiente.

Em estradas rurais, acesso impossível até para caminhões. Foto Elías Cabral, Última Hora

Fontes: ABC Color, Última Hora e La Nación