Livro da EDUNILA analisa impacto da Segunda Guerra Mundial na região da Tríplice Fronteira

Em 15 de janeiro de 1942, no pequeno povoado de Foz do Iguaçu, o agricultor Martin Nieuwenhoff recolheu sua produção agrícola e, na companhia do filho Franz, cruzou de Canoa o rio Iguaçu com destino à margem argentina da fronteira. Foi até a cidade de Puerto Aguirre (hoje Puerto Iguazú) para trocar seus excedentes por produtos industrializados que vinham de Buenos Aires – como farinha de trigo e querosene – e aproveitou para checar a caixa postal que mantinha do lado argentino.

O trajeto da volta não era o mesmo da ida. Era preciso descer até atingir o porto sobre o rio Paraná, na divisa do Brasil com o Paraguai, e, então, submeter-se à fiscalização de uma autoridade policial. Martin esperava uma fiscalização de rotina, mas foi surpreendido quando um policial avistou o jornal junto das coisas que trazia. Por conta do jornal, escrito em alemão, Martin foi preso e o filho Franz voltou para casa para dar a notícia à mãe e às seis irmãs.

Histórias como a de Nieuwemhoff estão reunidas, de forma inédita, no livro A Segunda Guerra Mundial e a Tríplice Fronteira – A vigilância aos “súditos do eixo” alemães e italianos, de Micael Alvino da Silva, publicado pela Editora da UNILA (EDUNILA). A obra analisa como o fenômeno global da Segunda Guerra Mundial impactou na então remota região da tríplice fronteira entre Argentina, Brasil e Paraguai.

A publicação já está disponível, para download gratuito, no site da EDUNILA, que pode ser acessado em: portal.unila.edu.br/editora. Na próxima terça-feira (6), o autor realiza um bate-papo de lançamento, às 19h30, no endereço virtual: bit.ly/segundaguerraTF.

Pesquisa historiográfica
De acordo com o autor, o professor de História das Relações Internacionais na UNILA, Micael Alvino da Silva, pelo menos 80 famílias de Foz do Iguaçu sentiram diretamente o impacto da Segunda Guerra em suas vidas. Por serem alemães e italianos eles eram considerados “súditos do Eixo”, foram submetidos à vigilância policial e a maioria, inclusive, essas pessoas foram retiradas da região da fronteira, onde sua presença era considerada perigosa. “O destino foi a cidade de Guarapuava, a uma distância segura da linha divisória entre os países. O risco era maior na fronteira do outro grande país sul-americano (Argentina), onde súditos do Eixo e nazistas poderiam atuar livremente. Prevaleceu, portanto, o argumento de que os alemães da fronteira poderiam ser ainda mais perigosos caso se juntassem a alemães do outro lado do rio Paraná ou Iguaçu”, explica o autor.

O livro é uma das únicas publicações que traz análises historiográficas dedicadas à região nos anos 40 e pretende contribuir para ampliar os estudos sobre o nazismo, as relações internacionais americanas e a Tríplice Fronteira. “Investigar como o nazismo chegou à “longínqua fronteira” nos levou a conectar o fenômeno global com as relações regionais e as implicações locais. Consequentemente, a pesquisa contribuiu de forma única para entender uma das regiões que, em geral, é uma das mais dinâmicas da América Latina atualmente”, salienta Silva.

Sobre o autor
A pesquisa histórica que resultou no livro perpassa toda a vida acadêmica de Micael Alvino da Silva. O docente dedica-se ao estudo das relações entre o nazismo e a região de fronteira desde 2005. O tema também foi o objeto principal da sua pesquisa de mestrado (em História, da Universidade Estadual de Maringá) e parte do objeto da tese de doutorado em História Social, pela Universidade de São Paulo (USP).

Atualmente, Silva é pesquisador e coordenador do Grupo de Pesquisa sobre a Tríplice Fronteira (CNPq). Ele possui experiência de pesquisa no National Archives (Washington, Estados Unidos), no Arquivo Histórico do Itamaraty (Rio de Janeiro) e no Arquivo Público do Paraná (Curitiba). Realiza pesquisas sobre os seguintes temas: História das Relações Internacionais Americanas (1933-1954) e História da Tríplice Fronteira (Argentina, Brasil e Paraguai).

Serviço
Bate-papo de lançamento do ebook A Segunda Guerra Mundial e a Tríplice Fronteira – A vigilância aos “súditos do eixo” alemães e italianos
Data: 06/04/2021 – 19h30
Link para acesso ao evento: bit.ly/segundaguerraTF
Download do livro na página da EDUNILA: portal.unila.edu.br/editora.

Assessoria

Este texto é de responsabilidade de assessoria da imprensa institucional e/ou empresarial. Veja mais conteúdo do autor.

Assessoria tem 455 posts e contando. Ver todos os posts de Assessoria