Dengue avança: Foz do Iguaçu supera 35 mil notificações e 3,2 mil casos

Em uma semana, são 5.631 novas comunicações e mais 1.125 ocorrências confirmadas da doença.

Apoie! Siga-nos no Google News

A epidemia de dengue segue avançando em Foz do Iguaçu, superando 35 mil notificações e 3,2 mil casos, no ano epidemiológico que começou em agosto de 2022. Nesse período, são cinco mortes pela doença, quatro delas entre fevereiro e março deste ano.

LEIA TAMBÉM:
Falta de planejamento na saúde de Foz do Iguaçu compromete combate à epidemia da dengue
ACIFI mobiliza empresas em ação permanente de prevenção da dengue
Professor da Unioeste em Foz desenvolve armadilha inteligente para mosquito da dengue
Codefoz reforça cidadania contra a dengue e cobra medidas eficientes
Editorial | Chico Brasileiro veste o jaleco da política em meio à epidemia de dengue em Foz do Iguaçu

Em uma semana, são 5.631 novas comunicações e mais 1.125 ocorrências confirmadas da doença, mostra o boletim sanitário divulgado pela prefeitura nesta quarta-feira, 19. Os dados de uma semana para outra são os seguintes:

Boletim semanal de 19 de abril

  • Casos notificados: 35.786
  • Casos confirmados: 3.297

Boletim semanal de 11 de abril

  • Casos notificados: 30.155
  • Casos confirmados: 2.172

A severa epidemia de dengue que afeta a cidade – a anterior foi no ano epidemiológico 2019–2020 – superlota unidades de saúde e o Hospital Municipal. A prefeitura criou leitos hospitalares e alterou fluxos, mas a população reclama diariamente da demora no atendimento.

Falta de planejamento

Esse quadro caótico poderia ser evitado se houvesse planejamento em saúde. Esse é um ponto crítico da cidade, diz Walfrido Svoboda, professor do curso de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), em reportagem exclusiva do H2FOZ.

“O grande nó crítico hoje de Foz do Iguaçu é a falta de planejamento estratégico situacional”, afirmou. Para ele, deveria existir uma estrutura específica para fazer o planejamento das políticas públicas da saúde iguaçuenses.

Atualmente, os setores de planejamento e gestão estão juntos. “A gestão está apagando incêndio, enquanto o planejamento tem que estar pensando”, avalia o docente.

A prefeitura, por sua vez, sustenta que os criadouros concentram-se principalmente nas moradias. Por isso, combater a dengue é papel de todos.

Na metade de março, ao decretar situação de emergência, anunciou que aplicaria multas superiores a R$ 10 mil a proprietários que não cuidam dos imóveis. Desde o fim de fevereiro, o municípo faz mutirões informativos e de limpeza nas maiores regiões.

Dengue nos bairros

O informe epidemiológico desta quarta-feira demonstra que a Região Sul, em que fica o Porto Meira, é a com maior incidência da arbovirose no município. Com 29% dos casos, essa comunidade concentra praticamente uma a cada três ocorrências da doença.

Número de casos por local de residência (região/distrito sanitário):

Autóctones

Sul: 972 casos (29%)
Norte: 773 casos (23%)
Leste: 678 casos (21%)
Oeste: 393 casos (12%)
Nordeste: 341 casos (10%)
Ignorados: 43 casos (1%)

Importados

Brasil: 78 casos (2%)
Paraguai: 19 casos (1%)

Acesse o boletim de 19 de abril.

Acesse o boletim de 11 de abril.

*Fonte: Divisão de Vigilância Epidemiológica/Sinan Online. Dados preliminares dos boletins de 11 e 19 de abril.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.