Projeto de reforma da Previdência fica para o ano que vem

O propósito do prefeito Chico Brasileiro era aprovar o projeto ainda em dezembro; servidores questionam pressa: “A toque de caixa.”

Apoie! Siga-nos no Google News

A discussão do projeto de reforma da Previdência do município deve ficar para o ano que vem, até ser concluído o estudo atuarial contratado pelos sindicatos para nortear uma proposta com a participação dos servidores. Esse cronograma foi assumido pelo presidente da Câmara de Vereadores, Ney Patrício (PSD), e pelo dirigente eleito, João Morales (União Brasil).

LEIA TAMBÉM:
Editorial – Vereadores governistas não garantem aprovação de reforma da Previdência de Chico Brasileiro
Servidores rejeitam proposta da prefeitura para alterar Previdência
Câmara defende mais debate sobre reforma da Previdência proposta pela prefeitura
Servidores reagem à reforma da Previdência de Chico Brasileiro e convocam assembleia

Na manhã desta segunda-feira, 19, diretores do Sismufi e Sinprefi, sindicatos que representam o funcionalismo iguaçuense, reuniram-se com parlamentares no Legislativo. A data da retomada não foi definida, mas é possível que ocorra no começou de janeiro de 2023, reportou o Sismufi.

Autor do projeto, o prefeito Chico Brasileiro (PSD) esperava a votação em dezembro. Os servidores questionaram a pressa, denunciando o que chamaram de “a toque de caixa”, já que a tramitação acontece no meio das festas de dezembro. Em assembleia extraordinária, a categoria rejeitou o projeto tal qual foi apresentado pela prefeitura.

Os servidores consideram que a reforma proposta exigirá mais tempo de contribuição e maior idade para a aposentadoria. Outro questionamento é quanto à regra que exigirá desconto de 14% sobre os funcionários públicos inativos, sobre o valor que exceder R$ 3,6 mil – hoje, essa norma recai a partir de R$ 7 mil.

“Nosso compromisso é que, neste ano, não colocaria em votação [reforma da Previdência] sem que houvesse o afinamento das ideias e propostas. O que atrasou foi o cálculo”, disse Ney Patrício, em live transmitida pelos sindicatos. Ele reforçou a ideia de reiniciar o debate em janeiro, com o estudo atuarial.

Foram a “firmeza e persistência” que conseguiram “manter o comprometimento da Câmara de Vereadores para não votar a reforma sem antes debater de maneira ampla e transparente com os servidores”, frisou o presidente do Sismufi, Aldevir Hanke. A orientação é para que o funcionalismo permaneça alerta sobre a tramitação da pauta.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.