A pandemia não acabou: mais de 16 mil pessoas em Foz estão com a segunda dose da vacina em atraso

Somente as duas doses garantem a imunização - Foto: Pixabay

A prefeitura informou que 16,4 mil moradores de Foz do Iguaçu estão com a segunda dose da vacina contra o novo coronavírus em atraso. É um grupo grande de pessoas, considerando que a pandemia de covid-19, apesar dos indicadores recentes que trazem alento, ainda não acabou.

Tanto os órgãos de saúde quanto os fabricantes enfatizam que, para fazer o efeito desejado, as pessoas precisam cumprir o ciclo vacinal, ou seja, receber as duas doses do imunizante, com exceção de uma das marcas que requer aplicação única.

A vacina contra a covid-19 é um direito das pessoas e que deve ser valorizado como o meio disponível no momento mais eficiente para a proteção individual, familiar e coletiva. É um medicamento ofertado de graça pelo Sistema Único de Saúde, o SUS, entregue aos estados que o repassam aos gestores municipais para a aplicação na população.

A Fundação Oswaldo Cruz, a Fiocruz, acaba de reiterar, em informe técnico que lança periodicamente, que a campanha de vacinação no país está atingindo um de seus principais objetivos: reduzir casos graves que levam a internamentos e óbitos. E os dados comprovam isso. O retardamento da imunização significa manter janelas abertas para o vírus, basta ver a situação de alguns países europeus e de parte dos Estados Unidos.

É preciso atingir a universalização da vacinação com rapidez, avançando na imunização de adolescentes e iniciando-a no grupo infantil. Os adolescentes, lembra-se, apresentam maior intensidade de circulação e voltaram às aulas presenciais, elevando a mobilidade de pessoas, inclusive em meios coletivos de transporte. As crianças também estão nas escolas.

O relaxamento das medidas de distanciamento físico tem aumentado a concentração de pessoas, até em ambientes fechados. Lembra a Fiocruz que a chegada do fim de ano fará aumentar esse comportamento, recomendando para o contexto o uso de máscaras como medida de proteção e a higienização das mãos.

Em Foz do Iguaçu, a prefeitura precisa e deve fazer uma busca efetiva às mais de 16 mil pessoas que estão com a segunda dose da aplicação em atraso. E as autoridades públicas não podem emitir mensagens dúbias que possam sugerir o relaxamento de cuidados, como especular publicamente possível fim do uso de máscara enquanto essa decisão não for definida tecnicamente.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

H2FOZ – Editorial

Este texto expressa a opinião do H2FOZ a respeito do assunto. E-mail [email protected]Veja mais conteúdo do autor.

H2FOZ – Editorial tem 35 posts e contando. Ver todos os posts de H2FOZ – Editorial

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.