Ônibus lotado em Foz do Iguaçu durante pandemia - Foto Marcos Labanca (arquivo)

Passageiro de ônibus continua a viver o caos. E não há previsão de melhora

Na semana em que as empresas retiraram os ônibus equipados com ar-condicionado e a greve de motoristas e cobradores se consolidou como a mais longa da categoria dos rodoviários de Foz do Iguaçu, a prefeitura fez ressurgir o Conselho Municipal de Trânsito e Transporte.

O conselho (assunto que inclusive foi pautado no Marco Zero, durante entrevista do superintendente do Foztrans, Licério Santos) recebeu 24 novas nomeações. A promessa é que ele voltará a funcionar, tendo ainda de eleger a sua diretoria.

O Conselho de Trânsito e Transporte, pela lei, tem papel fundamental porque é deliberativo e fiscalizador. Por exercer o controle social, pode ser a voz das demandas da população para melhorar, por exemplo, o transporte público, serviço muito precário em Foz do Iguaçu.

Não só precário. Com a redução dos ônibus determinada pelo Consórcio Sorriso, alegando queda de receita, é um serviço público que chega a ser desumano, considerando a pandemia que enfrentamos e o potencial de transmissão de coronavírus em lotações abarrotadas de pessoas e que demoram passar.

Mas aí volta-se aos problemas. Das 24 cadeiras do Conselho de Trânsito e Transporte, apenas três são ocupadas pela população, enquanto 13 delas ficam com representantes da administração pública, e oito, com operadores de serviços do setor.

A composição do conselho, majoritariamente governamental, foi definida em lei de 2009 e piorada com uma alteração na legislação recentemente, em 2018.

É de perguntar-se: como esses três representantes da população poderão fazer frente à inércia do poder público em resolver os problemas do transporte coletivo e enfrentar interesses comerciais ou corporativos em benefício da coletividade?

De promessas em campanhas eleitorais e juras de intervenção a população está cansada. O direito do iguaçuense ao transporte coletivo, pilar da mobilidade urbana, vem sendo desrespeitado há muitos anos.

Ao usuário, até agora, só tem sobrado a conta de uma tarifa cara, um serviço da pior qualidade e as mãos atadas ante a desfaçatez das empresas autorizadas a explorar essa concessão pública.

E por mais que se olhe para frente, não há sinais melhora no transporte público iguaçuense.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

H2FOZ – Editorial

Este texto expressa a opinião do H2FOZ a respeito do assunto. E-mail [email protected]Veja mais conteúdo do autor.

H2FOZ – Editorial tem 28 posts e contando. Ver todos os posts de H2FOZ – Editorial

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.