Vacina em Foz do Iguaçu: o espetáculo da insensatez

Solenidade disputada marca começo da vacinação no dia 20 em Foz - Foto: Divulgação

O início da vacinação a conta-gotas contra a covid-19 em Foz do Iguaçu tem sido marcado por espetáculos de alto risco. Agentes públicos vêm transformando o recebimento das caixas com os primeiros lotes da vacina em marketing que pode transmitir falsa sensação de segurança à população.

A série de exibições com o imunizante estreou no embalo do show midiático lançado pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em 17 de janeiro. Brasil afora, políticos de plantão seguiram o roteiro nos dias seguintes. Aqui na fronteira, o script é seguido à risca.

O evento para anunciar o começo da vacinação na cidade foi uma cena à parte. Pelo menos 19 pessoas ficaram lado a lado para a pose oficial na linha de frente das autoridades, entre elas a secretária municipal de Saúde e primeira-dama, Rosa Maria Jerônymo Lima, em evento realizado no Hospital Municipal, no dia 20 (foto acima).

As sessões seguintes aconteceram ainda na pista do aeroporto, protagonizadas pelo prefeito Chico Brasileiro (PSD) e pelo secretário estadual de Saúde, Beto Preto, no dia 24, e depois pelo vice-prefeito, delegado Francisco Sampaio (PSD), no dia 29. Em ambas as situações, a caixa foi segurada com a ajuda de outras tantas mãos. Quem será o próximo da vez?

Diagnosticado com coronavírus em 16 de janeiro, Chico Brasileiro recebe a vacina no aeroporto no dia 24 – Foto: AMN

Esses três momentos tiveram como saldo 2.531 pessoas vacinadas na cidade até o dia 29, conforme o “Vacinômetro” da prefeitura. Ou seja, apenas 1% da população. Vidas que integram do grupo prioritário (profissionais de saúde da linha de frente, idosos com mais de 75 anos de idade e pessoas acima de 60 em instituições de longa permanência).

Aqui está o xis da questão. Diante da falta de planejamento do governo Jair Bolsonaro e da ausência de um plano nacional de imunização, quando será concluída a vacinação dos 258 mil moradores de Foz? A pergunta é quase impossível de ser respondida. Os mais otimistas estimam que a vacinação deva ser concluída somente no fim do ano.

No dia 29 de janeiro foi a vez de o vice-prefeito de Foz, delegado Sampaio, receber o lote do imunizante – Foto: AMN

Vejamos. Ao seguir critérios do Ministério da Saúde e do Governo do Estado, Foz do Iguaçu contabiliza somente nos grupos prioritários para as três primeiras fases no município cerca de 40 mil habitantes – além dos já citados, inclusos moradores de 60 a 74 anos e pessoas com morbidades. Estamos muito longe de cumprir essa meta.

A máxima dita pelos profissionais continua válida: a pandemia não acabou (número de mortes e de casos continua em alta), e pelo andar da carruagem vai demorar para todos serem vacinados. Além de álcool em gel e máscara, é preciso retomar a fiscalização sobre as festas clandestinas, resolver a superlotação no transporte coletivo e evitar toda e qualquer aglomeração desnecessária.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

H2FOZ – Editorial

Este texto expressa a opinião do H2FOZ a respeito do assunto. E-mail [email protected]Veja mais conteúdo do autor.

H2FOZ – Editorial tem 31 posts e contando. Ver todos os posts de H2FOZ – Editorial

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.