Campanha incentiva a presença de mulheres na política e valoriza candidaturas femininas

H2FOZ – Paulo Bogler 

Em Foz do Iguaçu, mesmo sendo a maioria (54%) dos 183 mil eleitores, as mulheres representam só 33,1% das candidaturas à Câmara de Vereadores, praticamente o mesmo patamar das duas eleições municipais anteriores, em 2016 e 2012. Entre nove chapas que disputam a prefeitura neste ano, há uma postulante a prefeita e duas mulheres que concorrem a vice, apenas. 

Leia também:

Eleitorado de Foz cresce 10% e chega a 183 mil votantes; mulheres são maioria

Quando o mínimo é o teto

No cumprimento de mandatos eletivos, a situação não é diferente. Os atuais prefeito e vice são homens. Da bancada de 15 parlamentares que compõem o Legislativo iguaçuense, até o próximo dia 31 de dezembro, são 12 vereadores e três vereadoras, com a presidência da Casa de Leis exercida por um homem. 

O quadro não muda amplificando para o contexto nacional esse recorte de gênero aplicado à participação e representação política. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), somente 33,5% dos 557 mil pedidos de registro de candidaturas nas eleições municipais de 2020 são de mulheres – sendo elas 52,5% do eleitorado brasileiro. 

Nesse contexto, o TSE lançou, nesta sexta-feira, 30, a campanha “Mais mulheres na política: a gente pode, o Brasil precisa”, protagonizada pela  atriz Camila Pitanga, que é embaixadora da ONU Mulheres no Brasil. O objetivo é incentivar a presença de mulheres na política e valorizar as candidaturas femininas.

As peças educativas serão veiculadas nos meios de comunicação de todo o Brasil e contam com a participação de outras mulheres consideradas líderes, como a fundadora da empresa Plano Feminino, Vivi Duarte; a cantora, atriz e mulher trans Tyller Antunes; a líder indígena Para Poty; e a fundadora do Movimento Black Money, Nina Silva.

Segundo o TSE, a intenção é “inspirar mulheres a ocuparem cargos políticos e mostrar que o aumento de lideranças femininas é bom para toda a sociedade”. Em um dos vídeos, Camila Pitanga enfatiza que “quando mais mulheres tomam decisões, mais escolhas são feitas a partir da nossa visão. Precisamos ser representadas e temos tudo para criar políticas públicas mais justas. Isso é democracia”.

Na campanha “Mais mulheres na política: a gente pode, o Brasil precisa”, o Tribunal Superior Eleitoral tem o apoio da Comissão TSE Mulheres, que está à frente do projeto institucional “Participa Mulher”, que visa a incentivar o protagonismo feminino na política.
 

Assista ao vídeo “Mais mulheres na política”, do TSE:
 

 

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.