Ciudad del Este requer uso da Ponte da Integração para desatar trânsito na fronteira

Conclusão de aduanas no lado paraguaio foi confirmada para outubro, o que permite ajustar procedimentos entre os dois países para abrir o fluxo para veículos.

Apoie! Siga-nos no Google News

No último feriado, Foz do Iguaçu e Ciudad del Este vivenciaram o caos no trânsito fronteiriço. Abrir a Ponte Internacional da Integração é considerada a solução para desafogar o fluxo de veículos de cargas, turismo e trânsito de moradores entre Brasil e Paraguai.

LEIA TAMBÉM: Ponte da Integração é sonho de 30 anos que não pode mais esperar

É o que referendou a reunião entre agentes públicos e lideranças em Ciudad del Este, terça-feira, 4, sobre a necessidade de uso da via ainda neste ano. A iniciativa é parte da campanha do Codetri (Conselho de Desenvolvimento da Região Trinacional).

codetri
Ciudad del Este amplifica movimento pela abertura da Ponte da Integração – foto: Divulgação

O encontro reuniu à mesa representantes de órgãos federais, estaduais e municipais paraguaios, empresários e sociedade civil, sendo organizado pelo Codeleste (Conselho de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental de Ciudad del Este). As autoridades do Paraguai enfatizaram:

Ministério de Obras Públicas (MOPC): a engenheira Laura Arévalo, supervisora de obras do órgão federal, afirmou que “em outubro deste ano, ficarão prontas as estruturas na zona primária”. Isso permite que os dois países ajustem procedimentoS para o uso da via.

Administrador da aduana em Ciudad del Este: Gustavo Soto afirmou que “grande parte do problema que temos será solucionada, pois irá facilitar muitíssimo o fluxo para o turismo e o processo de cargas.”

Governador de Alto Paraná, César Landy Torres, representado no encontro pelo secretário de Indústria, Comércio e Turismo, Esteban Wiens: declarou que o “governador está 100% comprometido com esse interesse” de abriu a Ponte da Integração.

O Codetri propõe que:

  • concluídas as aduanas na margem paraguaia, em outubro, a Ponte da Integração seja aberta para veículos;
  • controle fronteiriço, no lado do Brasil, realizado na atual aduana que leva à Argentina;
  • medida fará fluir o transporte de turismo e cargas, podendo transferir, por exemplo, 360 caminhões em lastre, vazios, que hoje utilizam a Ponte da Amizade.

O que disse a ministra de Obras:

  • em visita técnica às obras, recentemente, a ministra Claudia Centurión externou a possibilidade de habilitação da via binacional no segundo semestre.

“Esperamos que Brasil, em situação similar, possa operar o acesso à ponte e que essa infraestrutura seja aproveitada por toda a cidadania”, disse, conforme o portal institucional do MOPC.

Movimento para abrir a ponte

Presidente do Codetri, Roni Temp destacou a forte participação da comunidade de Ciudad del Este e a representatividade governamental. E reforçou que a abertura da Ponte da Integração é uma pauta dos quatro conselhos de desenvolvimento da região trinacional, em prol da integração entre Argentina, Brasil e Paraguai.

“Todos os setores do Paraguai, tanto governamentais, técnicos e sociedade civil, representados na reunião, demonstraram consenso e unidade de que a Ponte da Integração precisa ser aberta. E que essa operação é perfeitamente viável”, descreveu. “Agora, será a vez de reunirmos os entes brasileiros em Foz do Iguaçu”, anunciou.

roni temp codetri
Roni Temp (ao microfone) reforça o pedido do Codetri para o uso da segunda ponte Brasil-Paraguai – foto: Divulgação

A presidente do Codeleste, Natalia Duarte, detalhou uma pesquisa de fluxo de veículos e de pessoas que passam diariamente pela Ponte da Amizade, realçando o crescimento da movimentação. “Se antes havia picos, hoje estamos vivenciando um verdadeiro caos permanente. O recente feriado brasileiro mostrou isso”, frisou.

Para a dirigente da sociedade civil em Ciudad del Este, a Ponte da Integração em utilização será uma solução para a mobilidade e de fomento ao crescimento da região trinacional. “Estamos falando em desenvolvimento, em relações bilaterais entre Brasil e Paraguai. Hoje, pessoas desistem de vir para as nossas cidades devido a esse trânsito”, concluiu.

Representatividade

Mediada por Linda Taiyen, a reunião contou com a presença do cônsul do Paraguai em Foz do Iguaçu, Iván Airaldi; deputada estadual de Alto Paraná Mabel Otazú; e dos presidentes do Codefran (Conselho de Desenvolvimento de Presidente Franco), Iván Leguizamón; da ACIFI (Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu), Danilo Vendruscolo; e da Câmara de Comércio e Serviços de Ciudad del Este, Said Taigen. Uma representação de lideranças de Hernandarias também compareceu.

(Com informações do Codetri)

LEIA TAMBÉM
1 comentário
  1. Gustavo Martins Diz

    Eles não querem esperar o Lule sair do poder pra inauguração.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.