Banda de Foz do Iguaçu leva o rock de 1980 na veia, a era de ouro do estilo

Contratempo abriu agenda para eventos corporativos, a fim de apresentar seu repertório retrô com clássicos nacionais e internacionais; assista à entrevista.

Apoie! Siga-nos no Google News


Os anos 1980 popularizaram o rock no Brasil, com um número de artistas do gênero quase dez vezes maior que na década anterior, registra o site especializado Banda de Rock Nacional. É esse período que ilumina a banda de Foz do Iguaçu Contratempo, entrevistada no Marco Zero.

LEIA TAMBÉM:
Músico de Foz do Iguaçu lança novo clipe com produção digna de cinema
Festival gratuito de teatro apresenta cenas curtas em Foz do Iguaçu

Assista à entrevista:

Na primeira gestação, durante nove meses, o repertório era baseado apenas no rock nacional, ampliando depois com os clássicos internacionais. Os músicos, que acabam de comemorar um ano de palco, até tocam temas atuais, mas é nos 80 que eles se encontram.

Contratempo reúne Victor Augusto (vocal), Mateus Paredes Panda (bateria), Enzo Faria (baixo) e Dion Charles Dornelles (guitarra), além Aurélio Berlinck, o roadie que trabalha muito e também precisa ser citado. A banda é presença constante nos pubs e espaços roqueiros da cidade.

Por que o recorte dos anos 1980? “As bandas revolucionaram essa época e continuam influenciando muitos músicos até hoje”, explicou Victor, o cara dos vocais. O elenco começou com ele e Charles, chegando na sequência Panda e Enzo.

Ao dizer que deve ser um dos músicos mais novos de Foz do Iguaçu, Enzo revelou a sua relação com o rock oitentista. “Essa década foi a era do rock no Brasil. Sou fã dos Paralamas. Queria embarcar em uma máquina do tempo para vê-los no Rock in Rio de 1985”, contou.

Já Panda traz o gosto pelo heavy metal e se inspira, entre outros, no baterista que é uma referência na cena, Aquiles Priester, que morou em Foz do Iguaçu. “Mas sempre gostei de tocar todos os estilos. Quando fui chamado para esse projeto, não tive como recusar”, narrou.

Mais experiente da banda, Charles diz gostar de um pouco de tudo, porém a preferência sempre foi o rock internacional dos 80. “Fiz muito acústico, até migrar e termos a banda. As coisas foram acontecendo, e a gente se encontrou”, comemorou, no programa do H2FOZ e Rádio Clube FM 100,9.

Eventos corporativos

A festa da firma pode ficar mais divertida com o repertório dos iguaçuenses da Contratempo, assim como casamentos e outras agendas. O grupo almeja avançar em eventos corporativos, de empresas e instituições, já que o estilo é de gosto quase universal.

Contatos da banda

LEIA TAMBÉM
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.