Linha Ecológica terá investimentos de R$ 13,9 milhões na região

Iniciativa desenvolve projetos de educação, cultura e sustentabilidade em 55 municípios da área de influência de Itaipu.

Apoie! Siga-nos no Google News

Pelos próximos quatro anos, até o final de 2027, o Convênio Linha Ecológica, mantido pela diretoria brasileira de Itaipu Binacional com o Conselho dos Municípios Lindeiros ao Lago de Itaipu (Lindeiros), terá R$ 13,9 milhões para investimento em 55 municípios da área de abrangência da usina.

Leia também:
Itaipu lança projeto para construção de casas populares em Foz do Iguaçu

O anúncio foi feito nessa terça-feira (21), em Foz do Iguaçu, durante solenidade na Rafain Churrascaria Show, comemorativa à décima edição do convênio e aos 20 anos de existência do Linha Ecológica, que desenvolve ações de educação, cultura e sustentabilidade nas cidades da região.

Segundo Itaipu, o valor é quase o dobro do previsto no convênio anterior. “São recursos fundamentais para a política pública dos municípios, pois entram na formação, com os educadores, mas também geram emprego e renda na educação, na reciclagem, no recolhimento do lixo”, avaliou o diretor-geral brasileiro da entidade, Enio Verri, citado pela assessoria.



O Linha Ecológica foi integrado ao Programa Itaipu Mais que Energia, que engloba todas as ações socioambientais da empresa. O programa é voltado para os 399 municípios do Paraná e 35 do Mato Grosso do Sul, atendendo mais de 11 milhões de habitantes.

Equipe do convênio Linha Ecológica. Foto: Sara Cheida/Itaipu Binacional
Integrantes do convênio Linha Ecológica. Foto: Sara Cheida/Itaipu Binacional

Criado em 2002, o convênio tem um plano de trabalho dividido em cinco eixos: processos formativos, gestão estratégica da educação ambiental e da cultura, cultura e patrimônio, segurança hídrica e educomunicação. São 22 metas e 44 ações a serem desenvolvidas nos próximos 48 meses.

“Entre as ações, promovemos a formação dos gestores de educação ambiental e cultura, que é quem vai conduzir a educação nas redes formais e não formais de ensino”, explicou a gestora Emanuela Santos, da Divisão de Educação Ambiental de Itaipu.

LEIA TAMBÉM