H2FOZ | Notícias | Foz do Iguaçu
  1. Home
  2. Notícias

Por: Cláudio Dalla Benetta - H2FOZ

Alta do dólar preocupa o Paraguai. Na Argentina, nem se fala. E o Brasil?

Alta do dólar preocupa o Paraguai. Na Argentina, nem se fala. E o Brasil?
A moeda americana faz muita gente perder o sono, mundo afora. (Foto: Pixabay)

Quando se fala em dólar, já se sabe: se oscilar muito pra cima, azar de país emergente ou candidato à emergência (no sentido positivo e negativo da palavra). É o caso dos três vizinhos.

Paraguai

  No Paraguai, aumentou a preocupação com a    desvalorização do guarani, que ao longo do ano já atinge 6,8%. A moeda americana deve aumentar ao longo de outubro e novembro, caindo um pouco no fim do ano, segundo analistas ouvidos pelo jornal ABC Color.

A cotação atual do dólar no Paraguai, de 6.380 guaranis, já é a mais alta desde 2003, quando a moeda americana chegou a 7.250 guaranis.

A presidente interina do Banco Central do Paraguai, Liana Caballero, diz que a alta do dólar no país tem várias causas, desde as guerras comerciais (Estados Unidos x China) até as eleições na Argentina, que causam "incertezas no mercado".

O Banco Central paraguaio não intervém para segurar o guarani, segundo ela, porque a maior preocupação é com a inflação. "É o principal foco", afirma.

Gráfico preparado pelo jornal ABC Color mostra oscilação do guarani ao longo dos anos. Hoje, cotação do dólar é a maior em 16 anos.

Argentina

  Na Argentina, que se prepara para as eleições presidenciais, no último domingo do mês (dia 27), a desvalorização do peso, ao longo deste ano, foi catastrófica: 60%, aproximadamente. E deve haver mais desvalorização até o final do ano.

Somam-se à desvalorização da moeda argentina uma inflação de 53,54% até setembro, a recessão e suas consequências (desemprego, empobrecimento da população). Vê-se que a situação é bem pior que no Paraguai. E que no Brasil.

Brasil

  No Brasil, o dólar valia R$ 3,87 em janeiro desde ano; agora, está em R$ 4,15. A alta de 7,2% representa quase três vezes o índice acumulado da inflação, de janeiro a setembro (2,49%). Inflação controlada é um grande trunfo, no entanto.

E a tendência do dólar é de estabilizar nos próximos meses. Quem diz isso é o diretor de estratégia cambial do Julius Baer Group, o suíço David Kohl, que por sinal acertou em cheio quando previu que o real ia sofrer um baque no terceiro trimestre, de acordo com a revista Exame.

A desvalorização que o real sofreu a partir de 30 de junho, superior à das moedas de todos os países emergentes (com exceção da Argentina), mostra que a moeda brasileira não está mais supervalorizada. Portanto, já não há este fator pra pressionar o dólar para cima.

X