Câmara de Foz do Iguaçu repudia o ‘genocídio do povo palestino’

Moção aprovada por 12 vereadores pede a paz e destaca a contribuição da comunidade árabe e palestina para a cidade.

Apoie! Siga-nos no Google News

Com 12 votos a favor, a Câmara de Vereadores aprovou moção em que repudia o que considera ser o “genocídio do povo palestino” na Faixa de Gaza, promovido pelo Exército de Israel. O documento será encaminhado para o Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

LEIA TAMBÉM:
Xeique critica cobertura parcial da mídia sobre ocupação de Israel na Palestina
Embaixador dos Emirados defende criação de Estado palestino
Quantas pessoas precisam morrer para o mundo se manifestar?

A manifestação é de autoriza da vereadora Yasmin Hachem (MDB) e reúne mais 11 signatários. O vereador Jairo Cardoso (União Brasil) votou contra, o presidente João Morales (União Brasil) só votaria em caso de empate, e Cabo Cassol (Podemos) estava ausente na votação.

A moção reivindica a necessidade de se promover a paz e assegurar os direitos humanos para todas as pessoas que vivem na região em que ocorre o conflito. E destaca a contribuição da comunidade árabe, também formada de palestinos, para o desenvolvimento de Foz do Iguaçu.

O texto faz um resgate histórico, distinguindo o sionismo, movimento que atuou para a expulsão de palestinos do próprio território, para a criação do Estado de Israel, há 75 anos, e mantém ainda hoje uma ideologia considerada “supremacista”. A moção questiona o uso desproporcional de forças pelos militares israelenses e o corte do fornecimento de água, luz, remédios e alimentos, o que afeta os civis, principalmente crianças.

“O que acontece hoje é que Israel acirrou, mais do que nunca, o desrespeito sistemático aos direitos básicos da população palestina”, cita o documento da Câmara. “O ataque do Hamas serviu como pretexto para uma operação desproporcional de retaliação por parte de Israel”, completa.

Em 7 de outubro, o Hamas lançou operação fulminante na fronteira com Gaza, matando e fazendo reféns israelenses e pessoas de outras nacionalidades. Em retaliação ao que chama de ato terrorista, o governo de Israel ordenou ataques aéreos, seguidos da ocupação terrestre e de deslocamento forçado da população civil.

Na ocasião, o comerciante de Foz do Iguaçu Fawzi Abdallah, filho de palestinos, já havia antecipado a destruição e perdas de vidas que se seguiriam na Faixa de Gaza. “Os civis inevitavelmente sofrerão, e infraestruturas essenciais como hospitais e escolas serão ainda mais afetadas”, adiantou ao H2FOZ, antes da ocupação terrestre por Israel.

Ato de solidariedade

Nesta quarta-feira, 29, um comitê local realizará em Foz do Iguaçu ato público de solidariedade aos palestinos, por paz e pela autodeterminação dos povos. A manifestação será na Praça da Paz, na região central, a partir das 18h.

LEIA TAMBÉM