Você já sabe o que vai fazer com o 13.º salário?

Pagamento de dívidas ou investimentos podem ser boas opções para começar bem o ano, diz especialista da Sicredi

Apoie! Siga-nos no Google News

Você já decidiu o que vai fazer com o 13.º salário? A gerente de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi PR/SP/RJ, Adriana Zandoná, dá a dica: para quem tem dívidas, o melhor mesmo e quitá-las. Já para aqueles que o salário representa sobra, a sugestão é fazer investimentos.

“O melhor para quem está endividado realmente é quitar financiamentos ou parcelamentos com juros mais altos. Já para quem tem uma sobra, uma boa opção é investir esses recursos como uma forma de segurança futura”, afirma.

Dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) indicam que neste ano o 13.º deve injetar cerca de R$ 9,8 bilhões na economia do Paraná. O salário pode ser uma opção para acabar com dívidas de muitos paranaenses.

Conforme pesquisa da Fecomércio PR em conjunto com o Sebrae/PR, 40,5% dos entrevistados pretendem usar o dinheiro para quitar dívidas, enquanto 36% planejam fazer investimentos em uma aplicação.



Para quem pretende investir, Adriana preparou algumas dicas que levam em conta diferentes perfis de investidor: conservador, moderado, arrojado ou agressivo.

Investidores conservadores

A renda fixa é recomendada para quem nunca investiu ou não tem preferência por investimentos de longo prazo. A opção mais conhecida é a poupança, que oferece os seguintes benefícios:

  • Remuneração garantida e não sujeita a oscilações do mercado financeiro, como ações e fundos de investimentos.
  • Não tem incidência do Imposto de Renda para pessoas físicas e jurídicas (no caso de empresas/PJs, desde que sem fins lucrativos). 
  • Não há taxa de administração sobre o valor aplicado.
  • É um investimento com liquidez, ou seja, permite ao poupador o resgate imediato do recurso, evitando a necessidade de cumprir prazos ou pagar penalidades no caso de necessidade de saque.
  • Ideal para quem está começando a investir e precisa de uma aplicação financeira com regras fáceis, seguras e estáveis.
  • Recomendável como reserva financeira, em que o investidor mensalmente vai definindo um valor para ser guardado, evitando que o recurso fique na conta-corrente e seja consumido entre as despesas mensais e corriqueiras.

Conforme Adriana, a poupança é atrativa para quem está começando a investir ou para aquelas pessoas que também têm outros produtos, como renda fixa e renda variável, mas querem ter uma reserva financeira com mais liquidez e menos exposição a oscilações de mercado.

Na poupança da Sicredi, por exemplo, os associados ainda participam da campanha Poupança Premiada, que incentiva a educação financeira e o hábito do investimento por meio de premiações em dinheiro. Desde março, a ação já premiou mais de 140 associados.

Os associados recebem um número para concorrer a cada R$ 100 investidos. No próximo dia 18, será realizado o último sorteio, e o ganhador poderá levar sozinho R$ 1 milhão.

O Recibo de Depósito Cooperativo (RDC) — semelhante ao Certificado de Depósito Bancário (CDB) — e as Letras de Crédito do Agronegócio e Imobiliário (LCA e LCI) são outras opções de investimento em renda fixa. Todos esses investimento estão atrelados ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI), indexador de referência que determina a rentabilidade mínima de um investimento e acompanha a taxa Selic.

Quanto maior for o tempo de aplicação nesses investimentos, maior será a rentabilidade. O tempo mínimo é de 30 dias para o RDC e 90 dias para a LCA e LCI. As vantagens desses dois últimos é que são isentos do Imposto de Renda, por isso proporcionam rentabilidade maior, explica Adriana.

Perfis moderados

Para quem se enquadra no perfil de investidor moderado, a indicação são investimentos de renda fixa variável, tais como fundo de inflação e fundos multimercado, considerados mais voláteis, porém com rentabilidade acima da Selic.

O fundo de inflação, diz Adriana, é indicado para investimentos de médio a longo prazo pelo fato de seguir a rentabilidade do indicador IMA-B, composto por vários títulos públicos federais.

O fundo multimercado é uma opção de diversificação. Esse tipo de aplicação abrange diversas classes de ativos como ações, títulos, câmbio e outros.

Perfil arrojado

Para o investidor arrojado, a indicação são investimentos em longo prazo e com maior rentabilidade. Para isso, existem opções em renda variável, a exemplo do homebroker do Sicredi, com investimentos direto na bolsa, fundos de índice (conhecidos como ETFs) e outras operações de renda variável.

A cooperativa também oferece outros fundos de investimentos atrelados a ações, tais como Ações Sustentáveis ESG e o da Petrobras, que exigem aplicações mínimas de R$ 500 e R$ 200. “Esses fundos são destinados a investidores de perfis moderado e arrojado, que busquem retornos ao longo do tempo e aceitem oscilações nas suas aplicações”, frisa Adriana.

(Com informações da assessoria de imprensa)

LEIA TAMBÉM