Netflix anuncia segunda temporada de “DNA do Crime”, série sobre assalto na fronteira

A novidade animou os fãs da produção, considerada um sucesso internacional de audiência.

Apoie! Siga-nos no Google News

Inspirada nas investigações sobre o assalto à sede da empresa Prosegur, em Ciudad del Este, no Paraguai, ocorrido em 2017, a série brasileira “DNA do Crime” terá uma segunda temporada. A novidade foi anunciada pela plataforma de streaming Netflix em suas redes sociais.

“Que orgulho da minha primeira série brasileira de ação policial. ‘DNA do Crime’ está renovada para a 2ª temporada”, revelou no Facebook. O anúncio agradou à grande parte dos internautas, gerando mais de 43 mil reações e 1,6 mil comentários até a manhã desta quinta-feira (7).

Os episódios da trama foram disponibilizados aos assinantes há menos de um mês e lideraram rapidamente o ranking das séries mais vistas da Netflix no Brasil, além de alcançarem o topo da lista global de séries de língua não inglesa.

De acordo com Anna Luiza Santiago, da coluna “Play” do jornal O Globo, apenas dez dias após a estreia, a produção figurava entre as dez mais assistidas em 71 nações, abrangendo toda a América do Norte e praticamente toda a América Latina, 21 países da Europa (incluindo Itália, Espanha, França, Alemanha e Suíça), sete da África (como Egito, África do Sul e Quênia) e 17 da Ásia (Vietnã, Qatar, Indonésia e Jordânia, entre outros).



“DNA do Crime”

O enredo da série acompanha a caçada aos autores do crime, que fugiram para o Brasil por rotas como o lago de Itaipu. Parte dos envolvidos foi identificada com o uso de alta tecnologia, como a coleta de amostras de DNA em objetos e detritos que transformaram o quarteirão do prédio da transportadora em um cenário de guerra.

A produção está a cargo de Heitor Dhalia e Leonardo Levis, tendo Rômulo Braga (Benício), Maeve Jinkings (Suellen) e Thomas Aquino (Sem Alma) nos papéis principais. Muitas das cenas foram gravadas em municípios da região trinacional, como Santa Terezinha de Itaipu e zonas rurais próximas ao reservatório da usina.

LEIA TAMBÉM