Nova cadeia no lado paraguaio será de segurança máxima

Penitenciária em Minga Guazú, município vizinho a Ciudad del Este, está passando por verificação técnica antes da inauguração.

Apoie! Siga-nos no Google News

Construída em Minga Guazú, município vizinho a Ciudad del Este, a nova penitenciária administrada pelo Ministério da Justiça do Paraguai será de segurança máxima, conforme anúncio realizado, nessa quinta-feira (25), pelo ministro Ángel Barchini.

Leia também:
Paraguai impede fuga de detentos do “Pavilhão do PCC” em Ciudad del Este

O espaço, cuja habilitação vem sendo postergada desde o ano passado, em razão de fatores como problemas na infraestrutura do entorno, terá capacidade para 1.232 detentos e auxiliará a desafogar locais como a atual Penitenciária Regional de Ciudad del Este.

Estrutura está passando pelo processo final de verificação. Foto: Gentileza/Ministério da Justiça do Paraguai
Estrutura está passando pelo processo final de verificação. Foto: Gentileza/Ministério da Justiça do Paraguai

No total, serão sete pavilhões, com capacidade para 164 pessoas cada. Um dos prédios, segundo o Ministério da Justiça, terá 84 celas individuais, destinadas a presos considerados de alta periculosidade.

A estrutura será resguardada por mais de cem agentes penitenciários, que já estão em processo de treinamento para a operação dos equipamentos instalados no local, como detectores de metal, sensores e câmeras.

Ministério da Justiça ainda não confirmou a data de inauguração. Foto: Gentileza/Ministério da Justiça do Paraguai
Ministério da Justiça ainda não confirmou a data de inauguração. Foto: Gentileza/Ministério da Justiça do Paraguai

A data de inauguração, contudo, ainda não foi confirmada pelo ministro Ángel Barchini, que espera contar com a presença do presidente Santiago Peña (Partido Colorado) na cerimônia.

Segundo o Ministério da Justiça, “o estabelecimento-modelo de Minga Guazú será uma penitenciária de alta segurança, que contará com modernos sistemas eletrônicos de controle, monitoramento e vigilância”.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.