Tempo muda em Foz do Iguaçu a partir desta quarta-feira, 3. Há risco de temporais

O tempo já deveria ter mudado nesta terça-feira, 2. Era pra ter chovido. Se isso aconteceu, foi em chuvas esparsas, localizadas. Mas, a partir desta quarta, 3, vem chuva pra valer.

O Instituto Nacional de Meteorologia – Inmet e o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/Inpe) lançam alerta para risco moderado de ocorrência de fenômeno meteorológico adverso nas próximas 72 horas. Traduzindo: possibilidade de temporais.

Mas era pro “fenômeno meteorológico adverso” ter começado já na manhã desta terça-feira. O tempo só começou a mudar de fato à noite.

Por serviço, as previsões variam, mas são coincidentes num ponto: vai chover. O Simepar prevê chuva até o sábado, 6. E um volume bem razoável já na quinta-feira, 4, com 18,7 milímetros.

O Inmet também põe no horizonte até sábado chuva e trovoadas, em Foz do Iguaçu. Idem para o Climatempo, que vai mais longe: as pancadas de chuva podem seguir até a quarta-feira da semana que vem, dia 10.

Já o AccuWeather prevê chuvas até domingo, 7, com temporais na quarta, quinta, sábado e domingo.

RECORDE DE CHUVA E DE FALTA DELA

Foz do Iguaçu viveu dois meses bem diferentes, em 2021. Em janeiro, o levantamento feito pelo Simepar em sete regionais (Paranaguá, Curitiba, Ponta Grossa, Guarapuava, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu) mostrou que o município teve um recorde de chuvas dos últimos 20 anos.

Foram 609,6 milímetros, o segundo maior volume do Paraná (atrás apenas de Guaraqueçaba, no Litoral), ante a média histórica de 174 milímetros. No ano passado, choveu 201,8mm.

Em fevereiro, secou. De acordo com o Simepar, choveu apenas 27mm, quando a média histórica é de 121mm. Isto é, tivemos que nos consolar com 22,3% do volume normal de chuvas para o mês.

Já março promete compensar um pouco, pra receber com mais água a virada da estação. O outono começa, este ano, às 6h38 do dia 20 de março.

ABAIXO DA MÉDIA

Mas, de acordo com o Simepar, março também será um mês em que a chuva ficará abaixo da média histórica. Em janeiro, o que aconteceu é que uma onda de umidade vinda do Norte do Brasil fez com que a chuva fosse intensa no Paraná. Mas esta onda de umidade perdeu força em fevereiro, explicou o meteorologista do Simepar Paulo Barbieri, conforme matéria da Agência estadual de Notícias.

Felizmente, Foz do Iguaçu não está sob ameaça de racionamento, como a região metropolitana de Curitiba, por exemplo. Março começou com nível abaixo de 50% nos reservatórios da região, abaixo dos 60% considerados estratégicos e seguros para evitar rodízio no abastecimento, que vai continuar.

Não vai faltar água em Foz, certamente. Mas é bom não abusar. Pelo menos em solidariedade aos paranaenses da região de Curitiba, de Ponta Grossa, de Cascavel e outros municípios que podem enfrentar riscos no abastecimento.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.