Câmara cobra homologação da pista do aeroporto em Foz do Iguaçu

A obra de prolongamento foi concluída em 2021, com inauguração oficial, porém até hoje não recebeu voo.

Apoie! Siga-nos no Google News

A Câmara de Vereadores decidiu cobrar solução para uma obra pública inaugurada há três anos em Foz do Iguaçu, mas que por ora está às moscas: o prolongamento da pista do aeroporto. Requerimento foi aprovado na sessão desta sexta-feira, 1.º, por unanimidade.

LEIA TAMBÉM:
Menos rotas: número de conexões com Aeroporto de Foz do Iguaçu caiu 28% desde 2019
Dos 50 maiores aeroportos do Brasil, Foz do Iguaçu tem o 6.º pior desempenho pós-pandemia
Aeroporto de Cascavel oferece passagens aéreas para SP até 87% mais baratas que Foz

Em abril de 2021, quando o terminal era preparado para a privatização, em ato com a presença do então presidente Jair Bolsonaro (PL), a nova pista foi inaugurada. O trecho acresceu 600 metros, aumentando de 2.194 metros para 2.858. Contudo ele nunca foi usado.

O problema é que a pista ampliada não está homologada, não podendo receber aviões. O terminal iguaçuense, porta de entrada nas Três Fronteiras, deixou de ser administrado pela Infraero após a privatização, sendo gerido pela CCR Aeroportos desde 2022.

São requeridas informações sobre o atraso e a imediata homologação. “Faz tempo que a cidade espera por isso. Estamos perdendo desenvolvimento para a nossa cidade. Voos diretos de vários países poderiam estar acontecendo, mas não estão ocorrendo por falta de homologação da pista”, argumentou o presidente da Câmara, vereador João Morales (União Brasil), autor do pedido.

A proposição questiona a CCR, entre outros pontos, sobre:

  • extensão da pista de pousos e decolagens;
  • exigências da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para liberação em sua total extensão.

No caso

Em 2022, reportagem do H2FOZ sobre o atraso na homologação da pista recebeu, como posicionamento da CCR, informação de que faltava concluir a implantação de sinalização horizontal e equipamentos de auxílio à navegação aérea pela Infraero. Seriam requisitos para a liberação das operações pelos órgãos competentes. Até hoje, a pista não foi liberada.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.