Mortos por covid-19: educadores de Foz do Iguaçu fazem homenagem a colegas

Velas foram acesas simbolizando as mais de mil mortes pela doença no município - Foto: Divulgação

Durante ato público na Praça da Paz, professores e agentes educacionais acenderam velas e apontaram a exposição à doença com as aulas presenciais.

Comoção e cobrança marcaram o ato público nessa quarta-feira, 7, na Praça da Paz, a partir das 18h30, em que educadores das redes estadual e municipal de Foz do Iguaçu homenagearam colegas que perderam a vida para a covid-19. O protesto pediu que sejam mantidas as aulas remotas como forma de prevenção da comunidade escolar ao risco da doença.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Com roupas de cor preta, os participantes acenderam velas na praça, simbolizando as mais de mil vidas perdidas em Foz do Iguaçu por causa da covid-19. Foram expostos cartazes com os nomes de 18 professores e agentes educacionais do município e do estado que faleceram com a doença, os quais foram lembrados e saudados individualmente.

Chamada de manifestação de luto e luta, a atividade foi organizada conjuntamente pela APP-Sindicato/Foz e pelo Sindicato dos Professores e Profissionais da Educação da Rede Pública Municipal de Foz do Iguaçu (Sinprefi). Também participaram integrantes de organizações sociais e populares.

Professora do ensino infantil, Sheila Rodrigues Vieira prestou homenagem à irmã, Vanessa Rodrigues Vieira, também docente do município e que faleceu aos 35 anos, devido à infecção pelo novo coronavírus. Presente ao ato público, Sheila disse que sua familiar não conseguiu vaga na UTI e precisou ser transferida para outra cidade.

A professora Sheila Rodrigues Vieira prestou homenagem à irmã, Vanessa, também docente do município, que faleceu aos 35 anos – Foto: Divulgação

“Minha irmã falou: nós vamos voltar [a realizar atividades educativas presenciais], mas com certeza vamos perder vidas”, relembrou Sheila do diálogo que manteve com a sua familiar. “Mal sabia que ela própria seria a primeira professora vítima de covid-19”, relatou, emocionada, de cartaz com o nome da irmã às mãos.

Vidas perdidas 

O presidente da APP-Sindicato/Foz, Diego Valdez, responsabilizou os governos federal, estadual e municipal pelas mortes e o adoecimento de trabalhadores da educação. Na rede estadual, em Foz do Iguaçu e região, cinco educadores em atividade e dois professores aposentados perderam a vida para a covid-19.

Educadores responsabilizaram os governos pelas mortes de colegas na pandemia – Foto: Divulgação

“São vidas, pessoas que perdemos e que deixaram famílias, amigos e histórias. Essas mortes poderiam ter sido evitadas se tivéssemos o direito de manter o isolamento, sem ter que voltar às aulas presencialmente antes do controle da pandemia”, asseverou. “Educadores, estudantes e as famílias seguem expostos à doença”, frisou Diego.

Os professores da rede pública municipal já perderam nove colegas da ativa. “Isso poderia ter sido evitado,” disse a presidente do Sinprefi, Marli M. de Queiroz. Segundo ela, o sindicato implorou por diversas vezes para que as aulas sejam mantidas de forma remota, mas não foi atendido. “Somos obrigados a trabalhar presencialmente e expor a comunidade escolar aos riscos dessa pandemia,” desabafou.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Assessoria

Este texto é de responsabilidade de assessoria da imprensa institucional e/ou empresarial. Veja mais conteúdo do autor.