Presos produzem e doam 100 casinhas para cães resgatados das ruas

Projeto Pipoca faz homenagem a uma cachorrinha abandonada que passou a morar em uma unidade prisional em cidade da região.

Apoie! Siga-nos no Google News

Protetores de animais receberam a doação de 100 casinhas para abrigar cães resgatados que estavam em situação de rua. Os abrigos foram produzidos por detentos do sistema penal do Paraná, em Cascavel, cidade da região Oeste.

LEIA TAMBÉM: Prefeitura de Foz não atingiu nem a metade da meta de vacinação antirrábica

A ação é resultado do Projeto Pipoca, idealizado por policiais penais voluntários e integrantes da ONG Latidos do Bem. Também fazem parte veterinários do setor de bem-estar animal da prefeitura.

A iniciativa foi batizada de Pipoca para homenagear uma cachorrinha em situação de rua que passou a viver em uma unidade penitenciária da cidade. O projeto é apoiado por uma indústria, que doou os paletes.



A ação conta com a produção de casinhas com paletes e de camas, roupas e outros itens. Iniciado em 2020, funciona com doação de materiais e recebeu do Conselho Municipal do Meio Ambiente (Comam) R$ 40 mil em materiais para a construção de 900 casinhas.

“Ao mesmo tempo em que possibilita um espaço digno para os animais, ele fomenta a ressocialização com canteiros de trabalho dentro da unidade penal”, informa a Agência Estadual de Notícias. A meta é converter o projeto em política pública.

“Nós conseguimos abrigar inúmeros animais, trazer alegria aos tutores que não têm condições de comprar uma casinha”, disse a presidente da ONG Latidos do Bem, Luciana Braga. “Também é um trabalho de ressocialização, uma nova oportunidade de conhecimento aos apenados.”

Outro benefício do projeto é a conscientização e o incentivo para ajudar animais em situação de rua, que se dá por meio da mobilização da comunidade. Esse esforço contribui principalmente para protetoras voluntárias, que muitas vezes usam do próprio recurso para os resgates.

LEIA TAMBÉM