Vindos do Paraguai, cerca de 100 argentinos por dia rumam às praias

Para a maioria, o sacrifício compensa, como mostram essas fotos de Claudio Navarro, feitas em Florianópolis, publicadas no grupo de Facebook "A Brasil en Auto!!!".
Siga a gente no

A viagem é mais longa, mas ainda é o único jeito de ter acesso, legalmente, ao Litoral brasileiro.

O blogueiro e influencer Sir Chandler, o mais conhecido nas redes sociais da Argentina, considera “muito louco” que o Brasil não permita o acesso de argentinos por via terrestre, mas autoriza o acesso via Paraguai. E lembra que os brasileiros podem entrar na Argentina normalmente, pelas fronteiras habilitadas.

Ele também destaca que alguns de seus leitores fizeram “alguma” coisa pra entrar pela fronteira brasileira ou “algum amigo” fez isso. Quer dizer, o famoso “jeitinho brasileiro” tem similar na Argentina.

A viagem de Posadas a Florianópolis, diz ainda, que deveria ser percorrida em 971 km, se fosse permitido o acesso por Foz do Iguaçu, acaba sendo de 1.237 km. Eles têm que seguir para a fronteira com Encarnación e, por dentro do Paraguai, vir até Ciudad del Este, para pegar a BR-277 em Foz do Iguaçu.

No mapa publicado pelo blogueiro, a rota percorrida pelos argentinos, até chegar às praias de Santa Catarina.

EMBAIXADA

O embaixador da Argentina no Brasil, Daniel Scioli, postou nas redes sociais o comentário de que acredita que nos próximos dias o governo vai reabrir a fronteira terrestre.

“Atendendo à grande expectativa e consultas de muitos compatriotas, continuamos pedindo às autoridades brasileiras a pronta abertura da fronteira terrestre”, diz o embaixador em sua postagem.

MOVIMENTO

Segundo o portal El Territorio, cerca de 100 argentinos por dia atravessam a ponte San Roque Gonzáles de Santa Cruz, entre Posadas e Encarnación, tendo como destino as praias do Sul do Brasil, principalmente as de Santa Catarina.

O chefe regional do Posto de Controle Migratório de Encarnación, Blas Arzamendia, disse que, ao passar pela fronteira, os argentinos só precisam declarar para onde estão indo, tendo o prazo de 72 horas para permanecer no país. Na volta, “têm que respeitar todo o protocolo sanitário”, que inclui PCR de até 72 horas.

Ele disse acreditar que, entre dezembro e janeiro, o número de viajantes deve aumentar ainda mais, porque nessa época “sempre houve uma grande afluência de argentinos”.

Quando passam pelo setor de Migrações do Brasil, depois de se identificar e preencher uma declaração jurada, os argentinos têm circulação liberada e o prazo para permanecer no País é de 90 dias.

Mas há também quem entre ilegalmente no Brasil, pelas fronteiras do Paraná ou Rio Grande do Sul com a Argentina. Uma viajante comentou que atravessou a fronteira entre Paso de los Libres e Uruguaiana, foi às praias e voltou para a Argentina, sem qualquer problema.

No entanto, vale lembrar que, se por algum motivo a entrada ilegal for descoberta, o viajante pode ter problemas com a polícia brasileira.E

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

-->