Força-tarefa combate exploração do trabalho infantil na Ponte da Amizade

Mais de 30 crianças e adolescentes precisaram retornar ao Paraguai; um dos pequenos trazia material para limpar vidros de carro na mochila.

Apoie! Siga-nos no Google News

Uma força-tarefa realizou operação a fim de coibir a exploração de trabalho de crianças e adolescentes que chegam ao Brasil vindos do Paraguai, pela Ponte Internacional da Amizade, na fronteira. A ação foi na manhã desta quarta-feira, 28.

LEIA TAMBÉM: Foz do Iguaçu abre inscrição gratuita em 12 oficinas culturais para a juventude

A iniciativa foi coordenada pela Polícia Federal (PF), de forma integrada com órgãos municipais e o auxílio de autoridades paraguaias. Foram vistoriados condutores de veículos, passageiros e pedestres na entrada da aduana.

A PF informou que a operação visou a combater o trabalho infantil de “crianças paraguaias que são forçadas a pedir esmola” em Foz do Iguaçu. Os pequenos são submetidos a riscos, “pedindo dinheiro, vendendo água, limpando carros”, pontuou.

Em muitos casos, elencou a corporação, crianças e adolescentes permanecem sentados na calçada sob o Sol e condições climáticas adversas, no horário em que deveriam frequentar a escola. “Trata-se de crime complexo que envolve fatores econômicos, sociais, culturais e psicológicos”, reportou.

Na Ponte da Amizade, carros, motos, ônibus e vans que ingressavam no Brasil foram abordados pela fiscalização na aduana. Ao todo, foram parados 96 veículos, sendo que 32 crianças e adolescentes tiveram de retornar ao Paraguai, sob o acompanhamento das autoridades do país.

Em um caso, a criança trazia itens de limpeza de vidros de carro na mochila, o que caracteriza trabalho infantil. Essa vítima foi conduzida pelo Consulado Paraguaio às autoridades do país vizinho, para providências, relatou a Polícia Federal.

Força-tarefa

Entre as instituições do Brasil, atuaram na operação integrada a PF, Ministério Público do Trabalho, Secretaria Municipal de Assistência Social, Conselho Tutelar, Cáritas e Ordem dos Advogados do Brasil. As autoridades paraguaias reuniram consulado, promotoria e Secretaria de Justiça Social.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.