Passagem de ônibus em Puerto Iguazú será reajustada na segunda (8)

Aumento foi aprovado pelos vereadores locais, em meio ao corte de subsídios estatais e à aceleração dos preços no país.

Apoie! Siga-nos no Google News

A partir da próxima segunda-feira (8), moradores e turistas que utilizam o transporte coletivo em Puerto Iguazú terão de pagar mais caro para embarcar nos ônibus que cobrem os itinerários urbanos e a região do Parque Nacional Iguazú.

Leia também:
Veja os novos preços da gasolina e do diesel em Puerto Iguazú

O novo reajuste na tarifa, que atualiza o aumento que já estava previsto para o início de 2024, foi aprovado pelos vereadores da cidade, nessa quinta-feira (4), na sessão do Conselho Deliberante (órgão equivalente à Câmara Municipal).

Em novembro, os vereadores tinham definido que, a partir de janeiro, as passagens custariam P$ 230 (urbano, com cartão), P$ 250 (urbano, sem cartão), P$ 500 (linha Cataratas, moradores e trabalhadores) e P$ 2.500 (linha Cataratas, turistas).



A aceleração da inflação desde então, aliada ao corte de subsídios, alterou o planejamento. Em vez de P$ 230 para pagamento com cartão, por exemplo, o valor passará a ser de P$ 400, quase 75% mais alto. Nos demais degraus, o reajuste gira em torno de 60%.

Os valores em vigor a partir de segunda serão os seguintes:
– P$ 400 (itinerários urbanos, pagamento com cartão);
– P$ 450 (itinerários urbanos, pagamento em dinheiro);
– P$ 800 (linha CataratasAeroporto, para moradores e trabalhadores do entorno);
– P$ 3.900 (linha Cataratas–Aeroporto, para os demais passageiros).

Com a nova configuração, um turista brasileiro que deseje utilizar o transporte público de Puerto Iguazú para chegar ao lado argentino das Cataratas desembolsará o equivalente a R$ 21, tendo como base a cotação de R$ 1 por P$ 180. Já um morador de Puerto Iguazú que embarcar no mesmo ônibus pagará quase cinco vezes menos (P$ 800 ou R$ 4,45).

As tarifas das linhas internacionais Puerto Iguazú–Foz do Iguaçu, Cataratas AR–Cataratas BR e Puerto Iguazú–Ciudad del Este não fazem parte do aumento autorizado pelos vereadores locais, tendo em vista que a competência para a definição dos valores na Argentina é dos órgãos federais de transporte.

LEIA TAMBÉM