Calor vai aumentar. Umidade diminuir. Pelo menos até metade da semana que vem. Foto Patrícia Iunovich

Haja líquido! Umidade do ar em Foz está mais baixa que no Saara

Não é a primeira vez que acontece. Nem que noticiamos desse mesmo jeito.

A umidade relativa do ar em Foz do Iguaçu, nesta sexta-feira, 20, oscila entre 20% e 60%.

No sábado, a umidade mínima chegará a 10%. Só. Até o deserto do Saara é mais úmido: lá, o índice é de 15%.

O deserto do Atacama, no Chile, o mais seco do mundo, tem umidade entre 10% e 11%. Não precisa nem viajar ao deserto pra ver como é isso.

SAÚDE PAGA

A gente sente a secura na garganta, no nariz, nos olhos. Mas há risco até de agravar problemas cardíacos e de aumentar a incidência de AVC.

Não é brincadeira. E por isso não é à toa que o Inmet sempre divulgue alertas quando a umidade do ar está muito baixa.

Se até o Rio Paraná parece um filete d´água, na comparação com sua vazão normal, não é de estranhar que esta seca prolongada derrube a umidade relativa do ar para índices de Saara. Ou de Atacama.

COMO FICA O TEMPO

Já demos a previsão do tempo para os próximos dias, em Foz, baseada nos vários serviços de meteorologia.

Mas não custa repetir.

Temperatura máxima vai variar entre 31 e 35 graus, desta sexta até terça-feira, de acordo com o Simepar.

O Inmet e o CPTEC/Inpe seguem linha semelhante.

O Climatempo eleva para 36 graus no domingo e 38 na segunda-feira.

O Tempo Agora prevê temperaturas com variação entre 36 e 38 graus.

Quando volta o frio?

Quarta-feira, 25, dizem o Simepar e o Climatempo. Ambos preveem a queda na temperatura com chuvas naquele dia (ou já na terça, para o Climatempo).

Cai a temperatura na quarta-feira, concorda o CPTEC/Inpe, mas sem chuva. A boa chuva chega na quinta-feira.

O Tempo Agora prevê chuva na terça, quarta e quinta-feira (em pequenos volumes). Mas a queda na temperatura será na quinta-feira, também.

Não é nem o calor que assusta. Com ele, o iguaçuense está acostumado. O problema é a secura. Foto Patrícia Iunovich

CUIDADOS

Enquanto a chuva não chega e a umidade do ar não melhora, é preciso tomar alguns cuidados com a saúde.

É que o índice adequado de umidade do ar, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), oscila entre 50% e 80%.

Quando está abaixo de 30%, os riscos à saúde aumentam, causando desconforto físico ou mesmo desencadeando doenças.

O que se deve fazer? Beber muita água, “forçando” a sede. Comer alimentos ricos em água, como melão, melancia, laranja e outros.

O que não se deve fazer é ingerir alimentos muito salgados ou condimentados, que podem causar retenção de líquidos e aumento da pressão arterial.

Procure manter úmido o ambiente, com toalhas molhadas, especialmente nos quartos. Ou use um umidificador de ar.

Para manter o nariz em forma, use soro fisiológico.

Outros cuidados são evitar a exposição ao sol e atividades físicas nos horários mais secos (entre 10 e 16h).

Mantenha a pele do rosto e do corpo hidratada. Use produtos específicos, ao menos uma vez por dia. E evite banho com água muito quente.

E ainda tem a questão da higiene em casa, para eliminar ácaros, poeira, pelos de animais e outros causadores de alergias.

No trabalho ou em casa, mantenha os ambientes bem ventilados.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 999 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ