Manifestantes encerram acampamento em frente ao 34.º Batalhão

Defensores de atos antidemocráticos desocuparam o centro de Foz do Iguaçu na véspera da posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Apoie! Siga-nos no Google News

Levantaram acampamento os manifestantes que estavam em frente ao 34.º Batalhão de Infantaria Mecanizado, no centro de Foz do Iguaçu. Após ficarem dois meses pedindo “socorro” para as Forças Armadas, os defensores de atos golpistas no Brasil desmobilizaram o protesto na noite desse sábado, 31.

Dois atos podem ter contribuído para a tomada da decisão. O primeiro: a viagem do então presidente Jair Messias Bolsonaro (PL) aos Estados Unidos ainda na sexta-feira, 30. Com a ida para a Flórida, ele evitou passar a faixa para o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), neste domingo, 1.º.

O segundo ato que deve ter influenciado foi o pronunciamento, como presidente em exercício, de Hamilton Mourão. Em resumo, ele criticou o silêncio de lideranças que fizeram as Forças Armadas “pagarem a conta” de um pretenso golpe. “Retornemos à normalidade da vida, aos nossos afazeres e ao concerto de nossos lares”, discursou.

A reportagem do H2FOZ esteve, na manhã deste domingo, em frente ao 34.º Batalhão. Toda a estrutura montada na esquina das avenidas Brasil e República Argentina foi retirada. Apenas algumas faixas continuam fixadas nas edificações e em árvores. Na pista, só um homem solitário segurando um cartaz.

Resquícios do acampamento em registro feito neste domingo, 1.º de janeiro de 2023 – Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Breve registro – Na área entre as avenidas República Argentina e Brasil, da Rua Almirante Barroso à Avenida JK, pessoas contrárias ao resultado da eleição de 30 de outubro estabeleceram um acampamento e impediram a circulação de veículos. A interrupção durou de 2 a 11 de novembro.

A liberação das pistas, no dia 11 de novembro, deu-se por intervenção do Ministério Público Federal (MPF), que cobrou o 14.º Batalhão de Polícia Militar (BPM) para o cumprimento de decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). A corte considerou a pauta dos atos inconstitucional e antidemocrática.

Na pista, só um homem solitário segurando um cartaz. – Foto: Marcos Labanca
Calçadas liberadas para pedestres neste domingo, 1.º de janeiro de 2023 – Foto: Marcos Labanca/H2FOZ


Isso porque o bloqueio em perímetro urbano iguaçuense, que foi comandado por um grupo denominado SOS Forças Armadas, pedia que as Forças Armadas assumissem o poder político no país. Essa resolução não está prevista na Constituição federal.

O resultado das eleições, que tiveram a fiscalização de diversas instituições, inclusive do Ministério da Defesa, foi proclamado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e a diplomação dos eleitos ocorreu em 12 de dezembro. Neste domingo, 1.º de janeiro de 2023, inicia o terceiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

34.º Batalhão de Infantaria Mecanizado em registro feito neste domingo – Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
LEIA TAMBÉM
2 Comentários
  1. Sidao Diz

    Demorou….estavam mais pra arruaceiros do MST do que protestantes.

  2. Anônimo Diz

    Estou torcendo para a “democracia” que está por vir.

Comentários estão fechados.