Chipa atravessa a fronteira e cai no gosto dos iguaçuenses

{" Guilherme Izidoro":" a comercializa\u00e7\u00e3o de chipa \u00e9 sua principal fonte de renda."}(Foto: Abilene Rodrigues)

Sobre Rodas –  Abilene Rodrigues 

Quem nunca ficou com uma imensa vontade de comer pelo um dos biscoitos que as paraguaias e paraguaios equilibram dentro de cestas pelas ruas de Ciudad del Este, no Paraguai? Mas devido a lenda de que a chipa, feita à base de polvilho, queijo e erva-doce, é enrolada nas coxas das paraguaias, muitos deixam de provar a iguaria. Quem se arrisca, prova, aprova e quer mais. 

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Há alguns meses, o biscoito atravessou a fronteira e caiu no gosto dos iguaçuenses e turistas. E agora, não são apenas carros com placas paraguaias que circulam pelas ruas e avenidas de Foz do Iguaçu. Em todo o semáforo do centro da cidade há pelo menos um vendedor de chipa. “Eu compro sempre que paro no semáforo é há alguém vendendo. Adoro tomar com café”, contou a confeiteira Ivone de Andrade. 

A jornalista Daniela Valiente também é fã de chipa. Ela já comprou duas vezes. “Uma estava bem boa, a outra nem tanto. Mas chipa é sempre gostosa”. Mona Sleiman foi outra que não resistiu à chipa. “Comprei e estava uma delícia. Bem quentinha”.

Clique aqui para ler a reportagem na íntegra publicada no site da Revista Sobre Rodas..

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Alexandre Palmar - H2FOZ

Alexandre Palmar é jornalista em Foz do Iguaçu. E-mail: [email protected] Veja mais conteúdo do autor.