Guilhermina Pastorello, a poetisa das Cataratas, mãe de 11 filhos

Família reunida na festa de 80 anos de D. Guilhermina. Todos os filhos nasceram em Foz do Iguaçu. - Foto: Arquivo pessoal

Ela é mãe de onze filhos, mas também é uma filha querida dessa terra, a poetisa das Cataratas, a Sra. Guilhermina Pastorello.

Dizem que a beleza, muitas vezes, está nos olhos de quem vê. Sabendo disso, os poetas tratam de traduzir em palavras o que veem.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Nesse sentido, poucos conseguem ver o mundo de uma forma tão bela como ela…

Filha de holandês com uma alemã, nasceu e viveu no Carimã, entre a plantação e o riacho que passava pela propriedade da família, nos fundos do hotel que leva o nome do bairro.

Apesar das dificuldades, Guilhermina cresceu em uma comunidade unida, alegre, embalada por músicas e artes típicas de imigrantes, que a ajudou a ver o mundo como uma poetisa.

A sua maior diversão era brincar com bonecas feitas de espigas de milho, e pescar nas águas cristalinas do riacho Carimã. Mas, aos 7 anos, ela já ajudava o pai nas lavouras da família.

Nos anos 30, a vida era dura na fronteira.

Recebendo prêmio de 1º lugar no festival de poesia, em 2006. – Foto: Arquivo Pessoal

Aqui, tiveram que aprender a viver com poucos recursos. Seu pai, o Sr. Marten Nieuwenhoff era um exímio marceneiro, mas sem a experiência em como tirar o próprio sustento da terra.

Começaram do zero. Nas terras adquiridas no período da colônia militar, precisaram limpar o terreno, cortar madeira e levantar o rancho.

A primeira colheita de milho foi uma FESTA!

A mãe, a Sra. Joana Nieuwenhoff, fazia doces deliciosos, que vendia para o Sr. Pedro Basso, o seu maior cliente. Além de frutas e verduras, que ela mesma fazia o “delivery” de carroça.

A luta pela sobrevivência era diária…

Tiveram que lidar com o calor, os insetos, as cobras e doenças como a malária. Uma parte da produção era vendida na Argentina, de onde o Sr. Marten voltava com farinha, açúcar e sal.

Como não existia geladeira ou outra forma de conservação, tudo o que produziam precisava ser preparado e armazenado rapidamente, em uma atividade que envolvia toda a família.

Guilhermina dividiu a infância entre a roça e os estudos na Escola Isolada do Carimã. O antigo curtume que virou escola, graças ao apoio das famílias Welter, Colombelli, Boiarski e Weirich.

Casamento com o Sr. Dirceu Pastorello, na igreja São João Batista em agosto de 1958 – Foto: Arquivo Pessoal

Anos depois, a jovem Guilhermina voltaria para essa escola, mas desta vez como Professora!

Dona de um coração de fé, ela sabe viver com leveza e alegria. Curtiu altas festas no galpão da família, além do “Oeste Paraná Clube”, que frequentava com sua irmã gêmea, a Rosina.

Era a época dos vestidos godês…

Elas adoravam dançar. Aprenderam com o pai, um músico influente à época. Foi em um baile que conheceu Dirceu Pastorello, com quem se casou e teve onze filhos, mais os de coração.

Porém, o que ela gosta mesmo, é de admirar as majestosas quedas das Cataratas do Iguaçu!

Lembra-se com carinho da primeira vez que as conheceu, tinha 12 anos, em 1946: “Eram três horas em uma carroça, pela antiga estrada de terra que começava na Av. dos Imigrantes”.

São muitas recordações: “A gente se banhava na região do Porto Canoas. Depois, fazíamos piqueniques, churrascos e confraternizações em datas importantes, como o Dia das Mães”.

A sua queda pelas Cataratas está eternizada, em um dos mais belos poemas de sua autoria:

      "Já de longe, se ouve o estrondo
   dessas águas que caem espumando
      Imagina-se a grandeza sem vê-las
tanto mais quanto mais perto chegando

       Ao avistá-las, oh! Que surpresa!
   são tão estupendas, tão grandiosas
   que o ser humano sente-se pequeno
      diante das quedas maravilhosas..."

A Dona Guilhermina, assim como as Cataratas, representa a força, a sensibilidade, a coragem, e ao mesmo tempo, a bondade. Ela é como o rio que corta sua amada terra, Foz do Iguaçu.

Um Feliz Dia para todas as Mães do Brasil, são os votos sinceros da família Pastorello!

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Marcos Kidricki Iwamoto - H2FOZ

Marcos Kidricki Iwamoto é economista e colaborador do H2FOZ E-mail: [email protected] Veja mais conteúdo do autor.