Intenção de consumo das famílias segue em crescimento durante fevereiro

Comércio da Avenida Brasil, no centro de Foz do Iguaçu - Foto: Marcos Labanca

Na oitava elevação seguida, crédito, emprego atual e consumo explicam a alta; patamar está quase no mesmo nível pré-pandemia.

Em ascensão desde julho do ano passado, o índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) no Paraná segue subindo. Em fevereiro, houve novo crescimento do indicador, que atingiu 103,3 pontos – variação mensal de 1,7%.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Trata-se da maior pontuação desde abril de 2020, quando registrava 109,3 pontos, e é a oitava elevação consecutiva. Os dados fazem parte da pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio Paraná).

Com a melhora do indicador, considerada “ótima” pelas entidades realizadoras do estudo, a intenção de consumo das famílias paranaenses quase alcança o padrão anterior à pandemia. “O índice paranaense está bastante acima da média nacional, que é de 77,6 pontos”, relata a Fecomércio Paraná.

Segundo a pesquisa, os fatores mais decisivos para a alta mensal foram:

  • acesso ao crédito (5,1%);
  • emprego atual (4,4%);
  • nível de consumo atual (3,8%); e
  • perspectiva de consumo (3,3%).

“A Perspectiva Profissional também mostrou crescimento de 2,1%, e a Renda Atual teve elevação de 0,8%”, destaca a Fecomércio. Apenas a opinião dos consumidores sobre momento para compra de bens duráveis caiu 9,4% em relação a janeiro e 21,3% na comparação com fevereiro de 2021.

Essa queda é resultado das “consecutivas altas nos juros, uma vez que os bens duráveis, tais como veículos, eletrodomésticos ou eletrônicos”, analisam os pesquisadores. Esses itens são de maior valor e muitas vezes demandam parcelamento ou financiamento, detalham.

Estudo mostra a intenção de consumo por faixa de renda – Foto: Reprodução

Por renda

Entre famílias de menor renda, a intenção de consumo está em 101 pontos e cresceu 2,4% ante janeiro. Nos grupos familiares de maior renda, o indicador ICF caiu 1,3% na variação mensal, totalizando 114,1 pontos.

“Nas famílias com renda até 10 salários mínimos, o único quesito em queda foi o Momento para Duráveis, que apresentou baixa de 8,4% em relação a janeiro”, mostra o ICF da CNC/Fecomércio. Na faixa de renda mais alta, fatores pesaram desfavoravelmente.

“A Perspectiva Profissional caiu 2,9%; a Renda Atual baixou 1,1%; o Nível de Consumo Atual teve diminuição de 0,9% na variação mensal”, retrata a federação paranaense. Outro quesito é o momento para duráveis, que encolheu 13,4%.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.