Inadimplência cai à taxa mais baixa desde 2013 no estado, mostra estudo

"Saúde" financeira da população reflete diretamente na economia - Foto: Pixabay

Entre os endividados, cartão de crédito é o vilão; veja dicas de educação financeira para organizar as contas e até poupar.

O índice de famílias paranaenses com contas em atraso caiu 20,6% em setembro, sendo o menor patamar desde setembro de 2013, quando alcançou 20,3%. Somente 7,4% de famílias estão sem condições de pagar as contas, contra os 6,7% aferidos em agosto de 2013.

Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC). Esse levantamento é feito pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR).

Além de melhores condições para quitar seus débitos, a população está evitando novas dívidas. O endividamento sofreu redução pelo segundo mês consecutivo: 89,3% das famílias possuíam algum tipo de dívida em setembro; em agosto, eram 90,2%.

Essa projeção vai na contramão do cenário nacional, que chegou ao maior nível de endividamento de toda a série histórica da pesquisa, segundo a Fecomércio Paraná.

Outros resultados da pesquisa sobre endividamento e inadimplência do consumidor do Paraná:

• redução do endividamento no Paraná com forte concentração nas famílias com renda de até dez salários mínimos;
• famílias de maior renda se endividaram mais;

• todas as classes econômicas estão pagando suas dívidas com mais facilidade. Destaque para as classes C, D e E, em que as famílias com contas em atraso baixaram de 25,1% para 23%;

• o cartão de crédito é o grande vilão na maior parte das dívidas, com 73,6%. O financiamento de veículo correspondeu a 12% do endividamento em setembro; e o financiamento imobiliário, a 9,6%.

Dicas financeiras

A manutenção das contas em dia é um alívio para as pessoas e para a economia, pois vincula-se diretamente ao poder de compra da população. Em entrevista no programa Marco Zero, do H2FOZ e da Rádio Clube FM, o especialista Rodrigo Silva afirmou que educação financeira é “gerir de forma sábia aquilo que você ganha”.

Leia mais: Endividado ou querendo fazer o dinheiro render mais? A educação financeira pode ajudar

Na entrevista, ele deu dicas para a organização das finanças pessoais, colocando as contas em dia e até fazendo uma poupança, indiferentemente do ganho. São elas:

  • até 30% de comprometimento da renda com parcelamento: é uma regra para não se endividar;
  • 45% dos rendimentos para a manutenção e sobrevivência: alimentação, água, luz, aluguel etc.; e
  • 25% do que se ganha é para poupar.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Paulo Bogler - H2FOZ tem 1349 posts e contando. Ver todos os posts de Paulo Bogler - H2FOZ