Consulta on-line sobre o Bosque Guarani é aberta pela prefeitura

Formulário tem perguntas sobre cobrança de ingresso, área comercial e como a pessoa vê o oásis verde no centro; respostas nortearão projeto.

Apoie! Siga-nos no Google News

A prefeitura abriu, nesta segunda-feira, 21, consulta pública on-line relacionada ao Bosque Guarani. A partir das respostas, será elaborado um projeto para a área natural que fica na região central de Foz do Iguaçu, diz a gestão municipal. O prazo para responder termina em 21 de dezembro, em https://www5.pmfi.pr.gov.br/publicacao-856.

LEIA TAMBÉM:
Editorial – Bosque Guarani protegido como parque urbano público e gratuito
Consulta sobre futuro do Bosque Guarani não tem data para iniciar nem será deliberativa
Entidade pedirá proteção do Bosque Guarani como bem tombado
Curso de Arquitetura e Urbanismo da UNILA apoia preservação do Bosque Guarani
Transferência dos animais do Zoo Bosque Guarani ainda não tem data para acontecer
Prefeitura afirma que busca ‘novo ambiente’ para animais do Bosque Guarani
Podcast: “Bosque Guarani com bosque, por favor!”

Com a retirada dos animais, transferidos para outros espaços dentro e fora da cidade, a unidade foi fechada para visitação, e a administração pública estuda a destinação do bosque. Há pedido de tombamento para proteção do espaço, com base na legislação municipal.

O objetivo da consulta “é a participação da população de Foz do Iguaçu na tomada de decisões sobre o futuro do Bosque Guarani como novo parque urbano, espaço de preservação, de educação ambiental, de lazer e de visitação”, diz a Agência Municipal de Notícias (AMN).

No formulário na internet, há perguntas se o bosque deve ter cobrança de ingressos para manutenção e abrigar área para comércio e gastronomia no seu interior. Há espaço para sugestões gerais para quem preencher o documento on-line.

A consulta ainda pede de que forma a pessoa visualiza o Bosque Guarani. As questões para respostas abrangem a área como espaço de lazer, educação ambiental, visitação, preservação ambiental e, por último, a opção de cultura.

“Nos próximos dias o bosque receberá reforma nas calçadas e trilhas, além da adequação das rampas e escadas a fim de tornar o local acessível”, diz o texto de apresentação. E prossegue afirmando que isso é para oferecer “maior funcionalidade e melhorar as condições de uso”.

Oásis no coração cidade, o Bosque Guarani é uma porção de Mata Atlântica. A diversidade e a presença de espécies em extinção, de araucária a peroba, de cedro-rosa a pau-marfim, mostram a sua importância ambiental.

São 30 espécies distribuídas pelos 4,5 hectares de área, informa descritivo florestal parcial da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. O relatório ainda cita nascentes que dão origem a dois lagos, que devem configurar área de proteção permanente no entorno dos mananciais.

A graduação de Arquitetura e Urbanismo da Unila se colocou à disposição para contribuir para a preservação do bosque. A sociedade, diz a nota de março, deve “impedir impactos irreversíveis da ação humana, como é o caso do risco iminente da cobiça do mercado privado do turismo e imobiliário sobre o Bosque Guarani”.

Antes, em fevereiro deste ano, o Centro de Direitos Humanos e Memória Popular (CDHMP) pediu o tombamento da área para proteção do remanescente de Mata Atlântica encravado na área central da cidade. A solicitação se baseia na Lei Municipal n.º 4.470/2016, do Patrimônio Cultural, Histórico, Artístico e Ambiental de Foz do Iguaçu.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.